Criativo é quem provoca mudanças

FacebookGoogle+

Nós vamos precisar de muita criatividade para enfrentar as turbulências da economia”.
” Nosso pessoal de vendas precisa ser mais criativo”.

Estas e outras frases, ouvidas em nossos contatos com empresas de diversos setores, exemplificam a preocupação com algo em que todos nós acreditamos e que todos, igualmente, não sabemos muito bem como praticar: a criatividade.

Cantada em prosa e verso como a grande saída para quaisquer dificuldades, a criatividade é difícil de ser objetivada, mesmo porque quem a pratica de fato não tem necessidade nem paciência para explicar ou justificar sua origem.

De qualquer forma, uma coisa é certa: a criatividade é irmã siamesa da mudança. Uma não sobrevive sem a outra. O “motor de arranque” da criatividade é a disposição natural para alterar; o inconformismo, a propensão para o novo e o gosto pelo inédito. Por esse raciocínio é possível começar a responder a questão colocada no início deste artigo.

É difícil ser criativo porque as pessoas tendem a não provocar mudanças. E só é criativo quem provoca mudanças. Roger von Oech, no seu livro Um toque na cuca, diz que só quem gosta de mudança é bebê molhado. Isso explica, em parte, a dificuldade de as pessoas explorarem seu potencial criativo: antes é necessário não ter medo de mudar. Em seguida, vêm os usos e costumes que estão arraigados em nossa educação e que criam verdadeiros antolhos em nossa percepção. Para ser criativo é necessário desaprender tudo que está armazenado em nosso porão de verdades definitivas e passar a olhar as coisas ao nosso redor com os óculos de uma criança que está sempre perguntando o porquê de tudo.

Perceber a realidade de uma forma não usual é outro elemento fundamental do processo criativo. Um livro alemão do começo do século conta que há muito tempo um adolescente procurou um rabino, querendo converter-se ao judaísmo, já que havia descoberto que todos os judeus eram inteligentes, bons empresários e grandes negociantes. O rabino tenta explicar que não é assim, mas diante da insistência do garoto, diz que se respondesse a uma das quatro perguntas que faria, aí sim, poderia lhe ensinar o Talmud.

” Dois operários judeus – começa o rabino – estão limpando uma chaminé e caem dentro dela. Um sai limpo e o outro sujo. Qual dos dois irá se lavar?” O garoto responde que, naturalmente, irá se lavar o que está sujo. O rabino diz que está errado, já que, do ponto de vista da realidade, o que ocorre é que o que está sujo olha o que está limpo e pensa que ele também não se sujou, ao passo que o que está limpo, vendo seu companheiro sujo, imagina que ele também se sujou e vai se lavar.

Em seguida, o rabino faz a mesma pergunta: “Qual deles vai se lavar?” “O que sai limpo”, diz rapidamente o garoto. “Errou outra vez – diz o rabino – porque, do ponto de vista da verdade, o que está sujo olha a si mesmo, e, ao ver-se sujo, vai se lavar”.

Pela terceira vez o rabino faz mesma pergunta e o garoto, já desconcertado, tenta uma resposta: “De uma vez irá se lavar o que está limpo, e da outra vez, o que está sujo”.

” Equivocou-se novamente – reflete o rabino – porque do ponto de vista metafísico é impossível que os dois caiam dentro de uma chaminé e apenas um fique sujo. Logo a pergunta é absurda”.

Na quarta e última repetição da mesma pergunta, o garoto, um tanto irritado, responde que, do ponto de vista da realidade, irá lavar-se um; do ponto de vista da verdade, o outro; e do ponto de vista da metafísica, a pergunta é absurda.

O rabino olha para o menino e diz que não poderá lhe ensinar o Talmud: porque ele não havia entendido absolutamente nada. “O que você nunca verá – afirmou – são dois judeus operários…”

Isto é criatividade: diante de um problema fugir do óbvio e procurar respostas não usuais. Por isso, é tão difícil ser criativo. Mas não impossível! Se você quiser, você pode.

(Dorival Donadão. Consultor de Empresas.
(Publicado n’O Estado de S. Paulo. Caderno de Empresas, 28 set. 1991)

Recommend to a friend